Coisas para fazer | Patrimônio | Catedrais da Grã-Bretanha

Catedrais da Grã-Bretanha

Um milênio de história

York Minster Source:© Nick Garrod

York Minster

Nick Garrod

As catedrais britânicas combinam mil anos de magnífica arquitetura e incríveis histórias de santos, conquistadores, incêndios e até assassinatos! Não é por acaso que inúmeros visitantes e equipes de filmagem aparecem para ouvir as fantásticas histórias relacionadas a essas edificações...

A Catedral de Durham é mais recentemente conhecida pelo seu papel nos dois primeiros filmes de Harry Potter , mas é também um dos exemplos mais admiráveis da arquitetura normanda na Grã-Bretanha. Juntamente com o Castelo de Durham, compõe um local do Patrimônio Mundial da UNESCO. Vá até o topo da torre de quase 67 metros ou dê uma olhada na biblioteca, que dispõe de três cópias da Carta Magna.

Conta-se que os pedreiros que trabalhavam em Durham foram também os criadores do exclusivo trabalho em arenito vermelho e amarelo na catedral mais setentrional da Grã-Bretanha, a de St. Magnus, nas Ilhas Orkney . Foi o viking Earl Rognvald quem supervisionou a construção da Catedral de St. Magnus, no século XII, uma homenagem a seu tio e padroeiro das Ilhas Orkney. Ambos estão enterrados na cripta.

Em 1170, o assassinato a sangue-frio do arcebispo Thomas Becket dentro da Catedral de Canterbury fez com que os peregrinos fizessem romaria até lá, como maravilhosamente contado nos Contos de Canterbury, de Chaucer . Nos dias de hoje, é possível ver o local onde Becket caiu e se maravilhar com os vitrais da catedral, que mostram histórias de pessoas comuns nos séculos XII e XIII.

Você também vai querer explorar York Minster , cuja torre oferece vistas para o labirinto de ruas medievais abaixo, a Catedral de Lincoln , que foi utilizada como pano de fundo para o filme "O Código Da Vinci", e a Catedral de Salisbury, que possui o maior pináculo da Grã-Bretanha. Caso você tenha mais interesse na arquitetura moderna, visite Liverpool’s , a inconfundível catedral católico-romana em formato de cabana, com mais vidros coloridos que qualquer outra edificação da Europa.

Talvez a mais importante dentre todas as catedrais britânicas seja a Catedral de St. Paul , um destaque elegante no famoso horizonte londrino. Depois de quase queimar duas vezes, uma durante o Grande Incêndio de Londres, em 1666, e outra mais de mil anos antes, a construção permanece hoje como a obra-prima do mundialmente famoso arquiteto Sir Christopher Wren, que escolheu a cripta como o seu último local de descanso.